cultura livre - tv cultura 

 anelis assumpção - para a revista noize

"A certeira parceria do poeta arrudA e Peri Pane ancora em alto mar. É simples no sentido mais sofisticado. Doce com brisa salgada. Escutei na estrada observando nuvens e, quando de olhos fechados, imaginei caravelas no horizonte. Senti vento de oceano na cara e chorei piegasmente de alegria e tristeza boa. Novas canções velhas com melodia de ar e palavras aquosas. Peri como se velejasse encantando uma sereia imaginária saliva o verbo quando molha a palavra amor. Uma sensação fresca de homem que não teme expor a rima mais óbvia. Ninguém escá pula"

Clique aqui para ler a crítica na íntegra

thales de meneses - folha de s. paulo

"Peri Pane está de volta ao lado do poeta arrudA entoando suas canções personalíssimas, acompanhado por Otávio Ortega, piano e acordeom, Marcelo Dworecki, cordas -também produtor do disco com Cris Scabello (Bixiga 70). Peri canta, toca violão, cello, Marcia castro canta uma música, Meno Del Picchia toca baixo acústico em outra e Alzira E cedeu uma composição. Mixado por Victor Rice e masterizado por Fernando Sanches, o disco está uma uva."

O recém-lançado CD "Canções Velhas Para Embrulhar Peixes" traz brincadeiras estilísticas entre o comum e o inesperado, fórmulas e reinvenções, música e poesia."

luiz  chagas - revista brasileiros

ronaldo evangelista - folha de s. paulo

Peri Pane complexifica a questão e cria uma canção cujo título "Canções Velhas Para Embrulhar Peixes" associa a função da canção à função do jornal, abre brechas à temporalidade (validade) da canção."

O compositor demonstra tanto gosto pelos jogos de palavras quanto pelo pop." 

Jotabê Medeiros - estado de s. paulo

Canções Velhas Para Embrulhar Peixes está entre os 25 trabalhos de 2012 que, no futuro, podem se tornar fundamentais para o entendimento da música brasileira."

Leonardo Davino - pesquisador e ensaísta

...os arranjos minimalistas de Marcelo Dworecki e Otávio Ortega douram a pílula. Um santo remédio."

luiz  chagas - revista brasileiros

Ele é um periquito compositor, intérprete e performer. Figura conhecida da cena alternativa paulistana, Pane tem forte ligação com a poesia. Um de seus maiores parceiros é o poeta Arruda, com quem divide grande parte das peças de seus dois álbuns “Canções Velhas para Embrulhar Peixes”, ponto de partida para esta edição Supertônica, apresentada originalmente em agosto de 2015. 

arrigo barnabé - supertônica 

Clique aqui para ouvir a entrevista na Rádio Cultura

marcus preto - oi fm

debora pill - vitrola livre

Clique aqui para ouvir a entrevista na Rádio UOL